Pular para o conteúdo principal

Alcoolismo não tem cura, mas tem tratamento


Não existe cura para o alcoolismo, como em qualquer outro caso de dependência de drogas. O que existe na realidade é o tratamento do alcoolismo.

Conheça todos os tipos existentes e quais são seus procedimentos e quais são os mais indicado para cada perfil de paciente.

Na grande maioria dos casos, o próprio paciente não consegue compreender o quanto está envolvido com a bebida, tendendo a refutar o uso ou mesmo a sua obediência pela mesma.

Nestes casos, pode-se iniciar o tratamento ajudando o paciente a reconhecer seu problema e a carência de tratar-se e de buscar abster-se do álcool. A indicação de internação em um clínica especializa em alcoolismo, pelo menos como duração inicial de desintoxicação, costuma ser a regra. Existem muitas evidências de que os tratamentos comportamentais cognitivos que objetivam a melhora do autocontrole e das habilidades sociais levam consistentemente à diminuição do alcoolismo.

Entre as formas de tratamento mais indicadas, estão os programas baseados nos 12 passos (Alcoólicos Anônimos), fundamentados na aceitação da enfermidade, enfrentamento e prevenção a recaída. Estudos também indicam que o base da família no processo de tratamento do alcoólatra contribui com a melhora dos resultados.

Geralmente realizada por alguns dias sob supervisão médica, permite combater os efeitos agudos da retirada do álcool. dados os altíssimos índices de recaídas, no entanto, o alcoolismo não é doença a ser tratada exclusivamente na capacidade da medicina convencional.

Depois de controlados os sintomas agudos da crise de dieta, seja por condição de internação ou através de tratamento ambulatorial, os pacientes devem ser encaminhados para programas de reabilitação, das quais objetivo é ajudá-los a viver sem álcool na circulação sanguínea, como os grupos de auto-ajuda ( A.A). É certo lembrar que as recaídas são comuns nos pacientes alcoolistas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

IBOGAÍNA: A droga que cura a dependência

Tratamento com Ibogaína é o que existe de melhor para a reabilitação de dependestes de drogas ou álcool.


A Ibogaína é uma substância tirada da raiz de uma planta africana chamada Tabernanthe Iboga.
Na África a raiz da planta é chamada de “iboga” ou “eboka”, lá sempre foi usada para em rituais religiosos buscando a cura de doenças do corpo e também da alma. Essa raiz tem em torno de 12 alcalóides diferentes, dos quais o psicoativo ibogaína é apenas um, ainda existem a tabernatina ou a ibogamina, que também são psicoativos.

Hoje o principal motivo da procura pela Ibogaína tem sido por sua capacidade quase milagrosa no que se refere ao tratamento da dependência de drogas e do álcool.

O Brasil é um dos pioneiros envolvidos em estudos científicos e experiências que comprovaram que uma única administração de ibogaína é suficiente para acabar com os sintomas da abstinência e reduzir o desejo de uso de drogas durante muito tempo após a sua administração.

O uso da Ibogaína tem ajudado os toxi…

Por que os negros não comemoram o 13 de maio, dia da abolição da escravatura?

A Lei Áurea foi assinada pela princesa Isabel em 1888 A Lei Áurea, que aboliu oficialmente a escravidão no Brasil, foi assinada em 13 de maio de 1888. A data, no entanto, não é comemorada pelo movimento negro. A razão é o tratamento dispensado aos que se tornaram ex-escravos no País. “Naquele momento, faltou criar as condições para que a população negra pudesse ter um tipo de inserção mais digna na sociedade”, disse Luiza Bairros, ex-ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir). Após o fim da escravidão, de acordo com o sociólogo Florestan Fernandes (1920-1995), em sua obra "A integração do negro na sociedade de classes", de 1964, as classes dominantes não contribuíram para a inserção dos ex-escravos no novo formato de trabalho. “Os senhores foram eximidos da responsabilidade pela manutenção e segurança dos libertos, sem que o Estado, a Igreja ou qualquer outra instituição assumisse encargos especiais, que tivessem por objeto prepará-los para…

ANVISA - Um padrão duvidoso

A ANVISA muda as regras de uma hora para outra, foi assim com a "pílula do câncer" e com a "Ibogaína". É engraçado vermos que sempre que existe um medicamento de baixo custo e que pode salvar vidas, a ANVISA dá um jeito de bloquear a comercialização.

Como se não bastece proibir o comércio, ainda faz de tudo para barrar as pesquisas que poderiam provar mais do que já está provado.

No caso da Ibogaína, existem pelo menos duas universidades federais  com solicitação na ANVISA para a realização de estudos, parados a mais de 4 anos e sem respostas. No caso da Pílula do Câncer, fabricada pelo laboratório do Instituto de Química de São Carlos (IQSC-USP), tiveram que vender a patente para fora do país e retornar como Suplemente Alimentar.

Em contrapartida, milhares de medicamentos sem efeitos comprovados são liberados para a comercialização e até mesmo os genéricos já entraram na mira da mídia sobre seus efeitos não serem tão efetivos assim.

Os casos da ANVISA aceitar o q…